What is the Brother? Ednaldo Pereira fala sobre música, internet e política

Um dos virais do início do Youtube brasileiro, Ednaldo conta que Twitter foi a chave para se manter relevante.

Carlos Alberto Jr

Se você é um usuário do assíduo do Twitter ou consume YouTube desde os primórdios da plataforma no Brasil, em algum momento ouviu falar de Ednaldo Pereira. Um servidor público do distrito de Cachoeira dos Guedes, no município de Guarapira, na Paraíba, que encantou o Brasil em meados de 2008 com clipes que se tornaram clássicos da internet e o colocou nos principais programas de auditório do país. Nesta sexta-feira (12), Dia dos Namorados, um cantor completa 47 anos.

Inicialmente, o cantor ganhou notoriedade como um meme da época. Afinal, os clipes foram lançados de maneira corajosa, com poucos recursos, edição simples e as composições um tanto quanto… enigmáticas.

Por outro lado, a simplicidade dos vídeos caseiros, o carisma de Ednaldo, as músicas em MIDI (com batidas pré-programadas de teclado digital) e edição dos clipes recheadas de efeitos e colagens, deixaram de ser motivo de piada e passaram a compor a estática do artista.

Outra característica marcante do cantor é a forma na qual ele é próximo de seus fãs na internet. Diariamente interagindo, principalmente pelo Twitter, e compartilhando as artes que recebe. Esse vínculo se tornou fundamental para que o servidor público ainda pudesse viver deste sonho de fazer música.

“Ednaldo Pereira tem um público além de muito fiel, também bastante engajado. As vezes fica difícil, recebo muitas mensagens e montagens todos os dias. Então, como artista, meu dever é pelo menos tentar interagir com eles sem que possível, seja no Twitter, como no Youtube”, disse o cantor, em terceira pessoa.

Vale Nada Vale Tudo

Falando em montagens, durante a conversa com o cantor, perguntei se ele tinha suas preferidas, mas o mesmo preferiu não se comprometer: “São milhares de montagens que já acumulei todos esses anos. Muitas estão registradas no meu Twitter, mas é a internet né? Tem em muitos sites. Então é difícil escolher as preferidas. Mas queria falar que achei divertida a brincadeira com os pokémons”, respondeu.

A brincadeira com os pokémons referidas acima é uma série de vídeos que o cantor olha um dos monstrinhos e nomeia de bate-pronto. Assim, Ednaldo trocou Blastoise por ALFREDO e o nosso querido Pikachu foi renomeado para BUZÉRA (?).

Como já citado anteriormente, Ednaldo Pereira têm uma forte ligação com os fãs e isso vai desde a edição dos vídeos de renomear os pokémons até mesmo uma vaquinha virtual para comprar um teclado. Assim como em suas canções, o cantor reforçou que quem faz a caridade está em serviço da bondade.

A fase pós punk vem?

Ednaldo Pereira fez questão de ressaltar durante a conversa que o som dele é único. Que tem inspirações no funk dos anos 2000, o rock e a música pop dos anos 1980. Perguntado sobre o seu novo hit “Vida”, cita algumas inspirações.

“O som de Ednaldo Pereira é contemporâneo, mas também tem inspirações em coisas mais antigas também, assim como da música internacional [referenciando ao trecho que ele canta em francês]. Essa mistura faz o som único.”

E sobre essa “nova pegada”, com uma letra claramente mais existencial e triste, além da base lembrar bandas de pós-punk dos anos 1980 o cantor foi sucinto: “Se eu tiver afim essa pode ser uma nova forma de fazer música, Se não tiver afim, não”.

Política e pandemia

Já falamos de internet e fãs, outros temas fundamentais na vida artística de Ednaldo Pereira é a política e o bem estar social. Em quarentena, o cantor ressaltou a importância de fazer o isolamento social e de ignorar tudo que vem do “governo do descontrole Bolsonaro”.

“Ednaldo Pereira, desde  o início da carreira falou sobre fraternidade, fé, meio ambiente e ser contra guerras. Então, de certa forma, eu peço para meus fãs se prevenirem e não ficar ligando no que o presidente fala por aí”.

Perguntado sobre bandeiras de lutas raciais e antifascistas o cantor, mais uma vez foi sucinto: “Ednaldo Pereira não tem medo de se posicionar é só ver o sucesso do tweet que falo do apoio antifascista”. Prestes a fazer um show online ele pediu para encerrar a conversa com esse tom político.