5 stand ups pra assistir na Netflix (parte 2)

O 10de10 sofre pra você poder sorrir!!!

Matheus Esperon

Procurar bons stand ups às cegas na Netflix é como procurar uma palha no agulheiro — sim, muito pior e mais doloroso do que achar uma agulha no palheiro.

Por isso, nós, corajosos dublês de stand up aqui do 10de10, nos dispomos novamente a testar opções e tomar o dano de indesejadas piadas gentílicas (do latim, Danilos Gentilis) pra que você possa dar gostosas risadas em paz, sem piadas ofensivas e toscas em pleno 2019.

Antes de continuar, lembramos que já temos um post de recomendações de stand-up que você pode acessar por aqui. Vamo lá!

Trevor Noah: Afraid of the Dark (2017)


O sul-africano Trevor Noah atualmente é uma das vozes mais influentes do humor. E quando escrevo “influentes”, é no sentido de influenciar a sociedade mesmo: em seu programa diário nos EUA, o Daily Show, Trevor e sua equipe tocam na ferida dos mais diversos temas sociopolíticos, tanto domesticamente quanto internacionalmente.

Por isso, não surpreende que seu primeiro stand up na Netflix, Afraid of the Dark, passe justamente pelos mesmos temas do programa, com sotaques simplesmente perfeitos e, claro, muito humor.

Ali Wong: Baby Cobra (2016)


Em mais um caso de stand up que me atraiu exclusivamente pela arte na Netflix (quer dizer, olha que demais essa promo aí em cima), Ali Wong foi de total desconhecida à comediante incrível pra mim em cerca de uma hora em Baby Cobra.

Gravidíssima no palco, Ali passa por temas como as diferenças entre homens e mulheres, sua vida sexual e, claro, sua gravidez — assuntos tratados completamente sem tabu nem papas na língua, o que torna tudo muito mais realista e, pelos maneirismos revoltadíssimos de Ali, engraçado demais!

John Mulaney: Kid Gorgeous (2018)


John Mulaney é tranquilamente um dos comediantes favoritos aqui do 10de10. Com o poder de conseguir transformar as histórias mais banais em anedotas engraçadíssimas graças ao super-poder do storytelling misturado ao seu jeito caricato de falar, John não ascendeu rapidamente ao hall de grandes nomes do humor dos EUA à toa.

Em Kid Gorgeous, ele consegue entregar uma performance tão boa quanto em seu anterior The Comeback Kid (honestamente não sei qual é melhor), com histórias pessoais cheias de ironia sobre sua relação com religião, com sua família e até com Mick Jagger.

Iliza: Elder Millennial (2018)


A geração millennial, comumente associada à juventude (e a “arruinar o planeta”, o que é engraçado já que estamos pegando a situação caótica deixada pelos baby boomers, mas isso é assunto pra outro post) oficialmente abrange quem nasceu de 1981 até 1996, o que dá o título de millennial à uma pessoa de 35 anos de idade, como a comediante Iliza Shlesinger — daí o nome “Elder Millenial” (algo como “millennial ancião”).

Indicação fervorosa do Dabul aqui do site, o stand up conseguiu surpreender expectativas que já estavam altas! Com seu jeito afiado e corrido de contar as piadas (no melhor dos sentidos), Iliza vai passando por assuntos nus e crus do universo feminino, subvertendo expectativas e deixando muitas críticas no caminho.

Neal Brennan: 3 Mics (2017)


Fechando com chave de ouro, fica a recomendação de um dos stand ups mais originais e sensíveis que eu já assisti em toda a minha vida.

Em 3 Mics, o roteirista Neal Brennan propõe um formato diferente, usando três microfones com diferentes tipos de apresentação: o da esquerda para piadinhas rápidas, o da direita para stand up normal e o do meio para confissões surpreendentemente íntimas e tocantes sobre depressão.

Alternando entre os três durante 1h, Neal consegue fazer você rir e refletir de maneiras completamente inesperadas na ótica do formato padrão de stand up.

Se você assistir a alguma dessas recomendações, depois me conta o que você achou lá no Twitter! :)