Review | Anna: O Perigo tem Nome

Perigo é pagar o preço de um ingresso inteiro por esse filme

Bernardo Dabul

Anna: O Perigo tem Nome é o mais novo filme de Luc Besson, conhecido por ‘Lucy’ e ‘Valerian e a Cidade dos Mil Planetas’. Dessa vez, o diretor optou por uma história mais pé no chão, criando um filme de espionagem. Só é uma pena que o resultado não é particularmente interessante ou diferente do que já foi feito mil vezes antes.

Anna é uma jovem russa que está perdida, tendo problemas com drogas e se relacionando com um criminoso abusivo. Porém isso muda quando ela é dada a opção de começar novamente como uma agente secreta da KGB. Ela é treinada para ser uma assassina capaz de infiltrar qualquer lugar e seduzir qualquer pessoa. Porém, depois de um tempo, Anna começa a ver que trabalhar para a KGB tem muito mais problemas do que ela esperava. Se a trama desse filme lembra ‘Operação Red Sparrow’, você não está sozinho. Embora alguns dos desenvolvimentos sejam diferentes, os dois filmes são extremamente similares.

O maior problema de ‘Anna’ é que o filme parece estar muito interessado em suas reviravoltas de agentes secretos se traindo, mas se esforça pouco para deixar pistas ao longo do caminho que espectadores possam reparar o que está acontecendo. Com traições e soluções vindo completamente do nada, fica difícil se manter investido na história.

Se ao menos a ação conseguisse ser interessante, talvez o filme valesse a pena. Infelizmente, as poucas cenas de ação presentes são cheias de cortes, sem uma visão clara das lutas. As coreografias até são criativas, mas elas não recebem o devido espaço para brilharem.

As atuações talvez sejam a única parte realmente boa do filme. Sasha Luss faz um trabalho competente em seu primeiro filme como protagonista, mas o destaque real é de Helen Mirren como Olga, que rouba toda cena em que ela está presente. Luke Evans e Cillian Murphy também fazem um trabalho competente como espiões da KGB e CIA respectivamente.

Divulgação

Anna: O Perigo tem Nome

‘Anna: O Perigo tem nome’ consegue ser melhor que ‘Operação Red Sparrow’ graças às atuações de seu elenco, mas não por muito. A história deixa poucas pistas para o público seguir a trama e as cenas de ação decepcionam com muitos cortes. Um dia, quem sabe, ainda acertam com um filme desses.

  • Helen Mirren e o resto do elenco
  • Trama cheia de reviravoltas que vem do nada
  • Ação com muitos cortes
  • Basicamente o mesmo filme que Operação Red Sparrow
Nota: 2/5