Review | Aquaman

Aquaman tenta copiar a fórmula Marvel, mas tropeça e cai.

Bernardo Dabul

Não é surpresa para ninguém dizer que o universo cinemático da DC anda tendo problemas nas bilheterias. Inicialmente com um tom extremamente sombrio e pesado, agora a Warner está tentando corrigir o curso do navio com filmes com mais humor e uso mais livre de cores. Vimos um pouco disso em Liga da Justiça, mas esse novo tom está em completa evidência em Aquaman. Infelizmente, não é só o tom que faz um filme de sucesso.

Embora o filme se passe depois de Liga da Justiça, ainda é uma história de origem, de certa forma. Além de mostrar como os pais do Aquaman (Jason Momoa) se apaixonam, também fica bem claro o desdém que o personagem tem pela cidade de Atlantis, uma vez que sua mãe, Atlanna (Nicole Kidman), foi sacrificada por ter tido uma relação com um humano.

Porém a vontade de se manter exilado não dura por muito tempo, uma vez que o rei atual de Atlantis, Orm (Patrick Wilson), resolve atacar a superfície. Cabe então ao Aquaman voltar para a cidade de origem de sua mãe e tentar retomar o trono e evitar que a superfície seja destruída em uma guerra desnecessária, contando com a ajuda de Mera (Amber Heard) e Vulko (Willem Dafoe).

No papel, a história parece até interessante, porém a execução deixa muito a desejar. O maior problema de ‘Aquaman’ é o seu roteiro, tendo diálogos tão forçados e clichê que chega a ser quase impossível não rolar os olhos a cada quinze minutos de filme. Por mais que tenham atores muito competentes no filme, nenhum deles consegue realizar um personagem convincente. Jason Momoa sofre especialmente com isso, apesar de sua clara empolgação de estar interpretando o Aquaman.

Isso não quer dizer que o filme não tenha breves momentos de inspiração. A direção de arte especialmente merece elogios, uma vez que o mundo criado para os reinos subaquáticos são extremamente elaborados e bonitos. Algumas piadas também se destacam, embora pra toda que consegue uma risada, existem três que tem o efeito oposto.

Outro detalhe importante: o marketing desse filme fez questão de destacar o Arraia Negra como um vilão no filme, dando a impressão que ele teria um papel muito importante na trama. Infelizmente a realidade é que o vilão é completamente desperdiçado nesse filme. É triste ver um personagem tão importante no universo de Aquaman não ter a relevância que merece no telão.

A direção, que poderia ser um dos pontos mais fortes do filme dado que grande parte dele se passa debaixo d’água, também não se destaca. O diretor James Wan, conhecido por filmes da franquia Velozes e Furiosos, até consegue fazer uma ou outra tomada interessante aproveitando esse contexto. Infelizmente, no fim das contas a maior parte é padrão para filmes de super heróis, novamente desperdiçando uma boa oportunidade.

divulgação

Aquaman

No fim das contas, ‘Aquaman’ tenta se aproximar da Fórmula Marvel, mas ainda acaba tropeçando e caindo na execução. Existem alguns pontos interessantes nesse filme, mas o roteiro pobre e direção pouco inspirada (ou limitada por executivos) acaba tirando toda chance que esse filme tinha.

  • Uma ou outra piada engraçada
  • Alguns momentos de direção inspiradas
  • Roteiro e diálogos lamentavelmente fracos
  • Arraia Negra completamente desperdiçado
  • Para toda piada boa, existem três de rolar os olhos
Nota: 2/5