Review | Vingadores: Ultimato

11 anos. 22 filmes. Tudo valeu a pena.

Bernardo Dabul

Desculpa galera, me exaltei no último review. Agora que tive um pouco mais de tempo para esfriar a cabeça e pensar melhor no que assisti e minhas opiniões sobre, vamos dar mais uma chance pra esse review. Pode ficar tranquilo, que segue sendo sem spoilers, apenas com comentários leves sobre o que foi mostrado nos trailers.

Vingadores: Ultimato é um milagre, simples assim. É um filme com personagens demais (mesmo tendo seu elenco reduzido no final de Guerra Infinita), duração gargantua de três horas e um ritmo que, depois que engata, mal te dá tempo para respirar. No papel, nada disso deveria funcionar, mas é um atestado à qualidade do universo criado pela Marvel nesses 11 anos que, por algum motivo MALUCO, o resultado é algo especial, divertido, emocionante e memorável.

Se você tá aqui, é porque provavelmente já sabe do fim de Guerra Infinita. A estalada do Thanos aniquilou metade da vida no universo e agora quem resta tem a impossível tarefa de arranjar uma forma de seguir em frente. Dada a duração de Ultimato, diretores Anthony e Joe Russo aproveitam essa oportunidade para realmente mergulhar em como esse evento cataclísmico afetou nossos heróis. Acima de tudo, a primeira hora do filme é um grande estudo de seus personagens, nos mostrando como cada um deles lida com essa derrota e suas consequências. Talvez para qualquer outro filme, gastar todo esse tempo fosse demais, mas dado tudo que já vimos esses personagens passarem e a relação que eles têm, o investimento já existente nos carrega tranquilamente pelo primeiro ato de forma satisfatória.

 

Vingadores: Ultimato ainda é um filme de super herói, então é claro que eventualmente há um pontapé na história. Sem entrar em detalhes do que ocorre, é possível dizer que o plano que nossos heróis criam é ousado, estabelecendo de cara riscos e condições muito específicas para que eles se encontrem naquela uma chance em 14 milhões de conseguir vencer o Titã Louco. É a partir daí que Ultimato pisa no acelerador e não para mais.

Falando de forma branda, quanto maior seu investimento nesse universo de 11 anos e 22 filmes, mais recompensado você será ao assistir essa conclusão épica. Em qualquer outra situação, muitos dos momentos que ocorrem em cena seriam facilmente descartados como serviço aos fãs, sem muita profundidade. Porém, dado tudo que já vimos esses personagens passarem, estes momentos são mais que merecidos. É difícil não vibrar em suas vitórias e chorar nas derrotas, e Vingadores sabe disso. O resultado é uma experiência catártica para os fãs, mas também ainda servindo como um excelente filme de ação para aqueles que não estão atualizados.

Se eu fosse obrigado a fazer uma crítica ao filme, é que ele deixa sem resposta algumas dúvidas importantes sobre as consequências de eventos no seu decorrer. Obviamente não citarei nenhuma delas aqui, mas só ao conversar um pouco com amigos após a primeira sessão, já começaram a surgir perguntas que ninguém tinha as respostas e possivelmente quebram algumas regras estabelecidas. Porém nada disso realmente apaga tudo que o filme faz bem.

Divulgação

Vingadores: Ultimato

Vingadores: Ultimato é um épico que encerra uma década de histórias, juntando tudo em um pacote espetacular que fãs irão se deliciar assistindo. Talvez a história gere algumas perguntas difíceis de ser respondidas, mas nenhuma delas realmente atrapalha no aproveitamento desse capítulo final. É hora de encerrar essa jornada, custe o que custar.

  • Primeiro ato é um excelente estudo dos personagens
  • Culminação incrível de 11 anos de construção
  • Serviço aos fãs merecido e bem executado
  • Apesar da duração, não se arrasta
  • Algumas dúvidas críticas não são respondidas
Nota: 5/5