Divulgação

Review | Esquadrão Suicida

Infelizmente o esquadrão não consegue salvar esse filme

Bernardo Dabul

Só existe um elogio que eu posso dar para Esquadrão Suicida: ele não é pior do que Batman v Superman. Até isso não é bem algo positivo, já que o motivo de tal alegação é que BvS ao menos me deu esperança de que seria um filme bom na sua primeira hora, até me decepcionar profundamente com o resto. Caso não esteja claro ainda, Esquadrão Suicida é um filme ruim. Bem ruim. BEM. RUIM.

A história começa com Amanda Waller, que é interpretada pela Viola Davis e faz um trabalho sensacional, tentando convencer seus superiores a autorizar a formação do ‘Esquadrão Suicida’. Nesse momento somos apresentados aos nossos protagonistas em uma sequência que é a prova definitiva de que esse filme foi alterado depois da recepção ruim de BvS.

A cena da Waller é gravada de forma completamente sóbria e séria, porém toda vez que é apresentado um personagem novo começa uma música e entram várias intervenções visuais para mostrar seu nome, suas habilidades e algumas piadas soltas. É uma sequência tão esquizofrênica que o humor não tem impacto nenhum, ficando apenas bizarro. Para piorar, após os primeiros vinte minutos, esse estilo desaparece completamente, com o resto do filme sendo bem mais sério e sóbrio em comparação.

SuicideSquad
Acredite, a maioria deles mal tem personalidade…

Voltando aos protagonistas, temos o Pistoleiro (Will Smith), um assassino com mira perfeita. Smith traz todo seu carisma para o papel, mas o maior problema está no fato de que claramente o roteiro está tentando muito direcionar esse vilão em um arco de redenção. A graça do filme é que estes são as piores pessoas do mundo, então ver o personagem nesse caminho para se tornar um mocinho é decepcionante.

A Harley Quinn (Margot Robbie) é uma ex-psicanalista de Arkham Asylum que se tornou criminosa após se apaixonar pelo Coringa (Jared Leto). Robbie tenta incorporar a Arlequina dos quadrinhos, mas a personagem no filme é transformada em um objeto de desejo de forma tão descarada que chega a ser ridículo. Existe, por exemplo, uma tomada inteira onde a câmera só mostra o corpo semi nu da atriz, além de vários momentos no filme onde personagens comentam de sua beleza física.

O Coringa em si também deixa muito a desejar, com a interpretação de Leto sendo uma cruza estranha entre o Coringa de Heath Ledger e um gangster de rua. O personagem é claramente louco, o que tecnicamente está correto, mas quando está em cena, ele não tem presença ameaçadora como as versões de Ledger ou até mesmo do Mark Hamill nos desenhos/jogos.

SuicideSquad-Joker
Para todas as bizarrices que rolaram nos bastidores, Leto deixa bastante a desejar da sua versão do Coringa

Os demais membros do esquadrão são deixados tão de lado que nem vale a pena dedicar um parágrafo para cada. Rick Flag (Joel Kinnaman) é o líder e “babá” dos criminosos, El Diablo (Jay Hernandez) tem o poder de criar e manipular fogo mas depois de um acidente hesita em usar suas habilidades e Magia (Kara Delavingne) é uma doutora possuída por um espírito maléfico. Além disso temos Crocodilo (Adewale Akinnuoye-Agbaje), Capitão Bumerangue (Jai Courtney) e Katana (Karen Fukuhara).

Infelizmente nenhum destes consegue ter algum impacto, pois seus tempos em cena são ridiculamente pequenos. Muitos deles nem personalidade têm, tornando os personagens em caricaturas que só estão lá para preencher o cenário. El Diablo é o único que tem um mínimo de desenvolvimento, mas até isso não é muito bem trabalhado.

‘Esquadrão Suicida’ também tem um problema grave de escala. Quase todos os membros da equipe titular são humanos normais. Eles podem ter habilidades excepcionais, mas ainda são frágeis e dependem de armas de fogo, tacos de beisebol, katanas e bumerangues para fazer seu trabalho. Porém a ameaça que eles enfrentam é de escala global, com nível de poder muito maior do que o esquadrão consegue lidar. O resultado é um desfecho ridículo que te faz questionar a inteligência da antagonista.

Além disto, o filme tenta forçar alguns momentos entre seus personagens que simplesmente não fazem sentido. Em hora alguma estes personagens passam por situações que os tornariam mais próximos, porém o filme insiste em faze-los falarem palavras como “amigos” e “família” e tenta dar a sensação de que esse grupo de malfeitores agora são uma equipe de verdade. Isso só faz essas cenas ficarem totalmente sem emoção e não fazerem sentido dentro do arco dos personagens.

Divulgação

Esquadrão Suicida

'Esquadrão Suicida' é um filme tão perdido quanto Batman v Superman. A história não faz sentido, os personagens são rasos e pouco interessantes e seu tom é esquizofrênico. Se a DC quer melhorar a qualidade de seus filmes, ela deve investir em histórias melhores, não só jogar comédia no filme.

  • Viola Davis como Amanda Waller
  • Roteiro sem sentido
  • Ameaça desapropriada para os protagonistas
  • Jared Leto como Joker
  • Harley Quinn reduzida a objeto de desejo
  • O arco do Pistoleiro
Nota: 1/5