Review | Han Solo: Uma História Star Wars

Eu tenho um bom pressentimento sobre isso.

Bernardo Dabul

Han Solo: Uma História Star Wars teve um desenvolvimento bastante turbulento, culminando com a troca do diretor para Ron Howard, que assumiu mais para o fim da produção. Apesar desses problemas, ‘Han Solo’ funciona surpreendentemente bem, sendo divertido e com personagens interessantes (além dos que já conhecemos).

Começamos a história vendo um jovem Han Solo, que está longe de ser o personagem que conhecemos e amamos da trilogia original. Essa versão dele, interpretada por Alden Ehrenreich, é sonhadora, sempre olhando para as estrelas e querendo dar um jeito de fugir da realidade horrível de seu planeta natal.

Talvez a parte mais interessante do filme é ver o amadurecimento do protagonista. Circunstâncias permitem que ele saia de seu planeta, mas sua condição de vida não melhora muito depois disso. A sequência de eventos que ocorrem em seguida vão testando do que o jovem é capaz e, aos poucos, desenvolvendo sua personalidade, até chegar em um Han Solo mais safo e próximo do que estamos familiarizados.

O único ponto confuso quanto à trajetória do personagem vem de não ser exatamente claro onde esse filme se encaixa na cronologia dos filmes Star Wars. Ao que tudo indica, ele é extremamente próximo de Uma Nova Esperança, mas ao mesmo tempo Han parece estar consideravelmente mais novo do que no filme de 1977. Não é nada que quebre a experiência, mas com certeza deixará alguns fãs confusos.

Outros destaques de ‘Han Solo’ são Beckett (Woody Harrelson) e Qi’Ra (Emilia Clarke). Os dois servem como fontes de aprendizado para Han, mas ao mesmo tempo tendo suas próprias motivações, seus próprios medos e desejos. Ainda assim, são polos opostos, com Qi’Ra representando (indiretamente) a vida que Han sonha em ter e Beckett o que ele eventualmente se tornará, um contrabandista.

Mais um personagem que merece menção, embora sua aparição seja relativamente curta, é Lando Calrissian (Donald Glover). Por mais que seu tempo em cena seja limitado, seu carisma é tão grande que impacta, ressaltando como o personagem faz falta na nova trilogia.

Algo a se observar é que o filme é cheio de referências. Tanto aqueles que só viram os filmes quanto os mestres do universo expandido irão reparar em várias falas, personagens, menções e afins que são familiares. Isso pode tirar a imersão de alguns, mas para mim o efeito é o contrário: me mostra que esse filme faz parte de um mundo vivo.

Minha única crítica é que ‘Han Solo’ joga seguro demais até seu ato final. A trama é extremamente previsível, deixando pouco suspense. Dito isso, quando se aproxima do final, só digo o seguinte: apertem os cintos.

Divulgação

Han Solo: Uma História Star Wars

‘Han Solo: Uma História Star Wars’ não é o melhor filme da franquia, mas ainda é extremamente divertido e com um elenco sensacional, que vende muito bem seus personagens. A história é bem previsível até perto do fim, mas ainda vale o ingresso para ir mais uma vez à galáxia muito, muito distante...

  • Amadurecimento de Han Solo
  • Beckett e Qi'Ra como influências
  • Donald Glover como Lando Calrissian
  • Ato final
  • Filme previsivel e padrão até o último ato
Nota: 4/5