Review | Ilha dos Cachorros

Wes Anderson ataca de novo.

Bernardo Dabul

Filmes do Wes Anderson sempre foram diferentes. O diretor é conhecido por ter sua própria estética e estilo, o que ao mesmo tempo cativou muitos, mas ainda assim não é para todos. Talvez essa seja a melhor descrição para Ilha dos Cachorros, seu mais novo filme, que conta com um elenco estupidamente forte, mas acaba sendo eclipsado pela excentricidade de Anderson.

A história se passa em uma cidade no Japão que há muito tempo vem sido liderada pelo clã Kobayashi. Mesmo a cidade tendo um sistema democrático, corrupção garante que a família permaneça no poder indefinidamente, seja por pagamentos ou por eliminação da oposição. Porém o atual prefeito tem um ódio enorme por cachorros (porque motivos) e cria um plano bizarramente complexo para fazer a população, ao longo dos anos, ir criando animosidade contra os cães. Quando esse sentimento está em seu pico, o prefeito ordena que todos os cachorros sejam enviados para uma ilha lixão para permanecer o resto de seus dias lá.

O filme segue cinco cachorros que encontram um pequeno humano preso na ilha. Eles decidem ajudar o garoto a reencontrar seu antigo cão de estimação, na esperança de isso conseguir restaurar a boa fé na espécie novamente.

Se a narrativa parece desnecessariamente confusa e complexa, é porque ela de fato é. Porém depois que a trama é estabelecida (e você conseguir suspender sua descrença com essa premissa maluca), a experiência toda acaba fluindo relativamente bem. O segundo ato as vezes desacelera a ponto de parar, mas continua sendo uma jornada interessante de acompanhar.

Talvez a parte mais interessante de ‘Ilha dos Cachorros’ é seu visual. O filme inteiro parece uma animação de stop motion, no estilo Wallace e Gromit ou Fuga das Galinhas (só que mais peludo). Muitas vezes isso é utilizado até para efeito cômico, misturando um momento sério com uma estética mais jovial. Também é interessante como Wes Anderson incorpora vários elementos da cultura japonesa (até mesmo do cinema deles) no filme, criando uma experiência um pouco diferente pro espectador ocidental.

Seria um erro não comentar o elenco estrelado que o filme possui. Bryan Cranston, Edward Norton, Greta Gerwig, Frances McDormand, Bill Murray e muitos outros tem um papel em ‘Ilha dos Cachorros’. Alguns têm mais tempo em cena do que os outros, mas todos fazem uma performance excelente. Pessoalmente, foi também uma diversão extra no filme ir descobrindo antes do créditos quem interpretava que personagem.

Divulgação

Ilha dos Cachorros

‘Ilha dos Cachorros’ é um filme meio confuso no início, mas depois que a narrativa engata, a experiência toda fica mais interessante e divertida. Não acho que vá mudar a opinião de ninguém quanto a Wes Anderson, mas não há nada de errado nisso também.

  • Elementos da culutra japonesa
  • Elenco fantástico com ótimas atuações
  • Estética interessante e bem utilizada
  • É um filme do Wes Anderson
  • É um filme do Wes Anderson
  • Início confuso
  • Segundo ato lento
Nota: 3/5