Review | Liga da Justiça

Liga da Justiça consegue escapar da sombra de Batman v Supeman para entregar um filme divertido, apesar de seus problemas!

Bernardo Dabul

Com certeza, Liga da Justiça é um dos filmes mais esperados do ano. Afinal, quem não quer ver a Mulher Maravilha lutando lado a lado com o Flash? O Batman trocando ideias com Aquaman? O Ciborgue lutando contra efeitos visuais ruins (não, pera…).

Felizmente, o filme não é desastroso que nem Batman v Superman e Esquadrão Suicida. Porém, Liga da Justiça não consegue criar uma experiência muito memorável para os fãs, devido a seus vários problemas.

Logo de cara, é possível ver que a história está longe de ser o ponto forte da obra. Conhece o clássico “vilão megalomaníaco que surge do nada e quer destruir o mundo por motivos”? É exatamente isso. O antagonista (que nem sequer foi revelado nos trailers, então não falarei seu nome aqui) é tão genérico e mal feito, que quando os créditos rolaram eu já tinha esquecido seu nome.

A impressão que fica é que isso foi nada mais do que uma desculpa para colocar todos esses heróis famosos na mesma sala e fazê-los interagirem entre si. A boa notícia é que quando isso de fato acontece, os resultados são (em sua grande maioria) excelentes! Todo o elenco, apesar de qualidades de atuação variadas, tem seu momento para brilhar e interage com os demais personagens de forma divertida e interessante, mostrando para o público como é a relação desses seres lendários quando não estão no campo de batalha.

O destaque do elenco de heróis certamente é o Flash, que é uma versão um pouco mais estranha do personagem, mas acaba funcionando. Ezra Miller parece estar se divertindo muito com o papel, o que faz toda cena em que está presente ser mais leve e cômica.

Gal Gadot novamente traz seu carisma para interpretar a Mulher Maravilha de forma muito eficiente, mas é necessário fazer menção a objetificação desnecessária da personagem. Em vários momentos, existem ângulos que são claramente feitos para ressaltar somente o corpo da atriz. Especialmente depois do filme solo da heroína, onde casos assim não ocorriam graças à direção de Patty Jenkins, vê-la tratada desse jeito é triste.

Ben Affleck também volta com uma versão menos extrema do Batman que vimos em BvS, já que aquela não encaixaria no tom de Liga da Justiça. Ray Fisher faz uma performance dura e robótica como Ciborgue (que, em defesa do ator, parece ser intencional), o que acaba tornando o personagem chato e monótono. Por fim, Jason Momoa estreia como Aquaman, dando a pior performance do filme, com uma versão machão “dudebro do personagem, que não tem graça, com a exceção de uma cena que subverte bem esse estereótipo.

 

Os parágrafos a seguir terão spoilers sobre o filme. Normalmente evitamos falar de spoilers em reviews escritos, mas nesse caso é tão intrínsico ao filme, que deve ser comentado. Se você quiser ir 100% puro, pule direto para a nota final!

Bernardo Dabul

Um dos maiores problemas de Liga da Justiça é como a história freia agressivamente para tapar o buraco em forma de Super-Homem deixado por BvS. Grande tempo é perdido debatendo se é possível trazer o kryptoniano de volta à vida (e se isso seria ético). Parece que a ideia era ter uma discussão moral sobre o assunto, mas no fim ficou algo tão arrastado que só quebrou o ritmo do filme. Obviamente ele volta à vida, já que sem isso não seria um filme da Liga da Justiça, tornando toda a discussão em torno irrelevante.

Outro problema é que os roteiristas simplesmente não sabem lidar com o personagem em si. Tudo seria resolvido facilmente pelo Super-Homem sozinho, então para evitar uma conclusão anti-climática, a história retira o personagem de jogo até chegar a hora dele salvar o dia. Isso acaba enfraquecendo os demais membros da Liga, uma vez que passa a impressão de que não são necessários.

Divulgação

Liga da Justiça

Liga da Justiça é um filme divertido, em grande parte devido a interação dos heróis. Porém, infelizmente, a história e o vilão não permitem que saia do ordinário. É o famoso pipocão, onde você vai ser entretido, mas logo esquecerá de tudo.

  • Interação entre os heróis
  • Não é um desastre que nem BvS (isso ser um ponto positivo é loko)
  • Filme divertido
  • Objetificação PESADA da Gal Gadot/Mulher Maravilha
  • Aquaman e Ciborgue fracos
  • História e vilão completamente esquecíveis
Nota: 3/5