Review | Nós

Aterrorizante, hipnotizante e impactante. Apenas.

Bernardo Dabul

Gostaria de começar esse texto deixando claro que minha experiência terror é muito limitada, nunca me sentindo confortável com a sensação que filmes do gênero tentam passar. Eu entendo o apelo por trás e o porque de muito gostarem, mas simplesmente não é algo que me agrada. Dito isso, Nós é um caso onde as qualidades do filme transcendem o seu gênero, oferecendo um comentário sobre como todos temos um lado sombrio, além de uma trilha sonora sensacional e atuações que são dignas de Oscar (e olha que 2019 apenas começou).

A história segue a família Wilson, que está tirando férias em uma casa de verão. Tudo corre bem até a primeira noite, onde figuras estranhas se encontram do lado de fora da moradia da família. Essa descrição parece ser genérica de filme de terror, mas é o que sinto mais confortável compartilhando aqui para aqueles que tiveram sorte de não assistir nenhum trailer ou absorver nada do material promocional. Se você que está lendo é uma dessas pessoas e tem curiosidade de ver “Nós”, pare aqui e compre seu ingresso imediatamente. Adianto que esse filme é 10/10 e que você deve evitar qualquer noção passageira da trama desse filme para ter aproveitamento máximo.

… Para quem ficou, hora de entrar mais a fundo. Como os trailers já mostraram, as figuras estranhas são sósias da família Wilson, porém vestidos de vermelho e armados com as tesouras mais afiadas da história do cinema. Caso não estivesse claro até agora, os sósias querem matar a família Wilson. De forma bem agressiva.

Apesar da premissa macabra, um dos aspectos mais interessantes do filme é a forma com que ele incorpora simbologia e nuância a praticamente todo momento. Tendo assistido ao filme duas vezes já, na segunda sessão fui capaz de notar muitos detalhes e pistas deixadas pelo diretor Jordan Peele. Tenho certeza que assistirei novamente quando o filme chegar nos serviços de streaming e descobrirei ainda mais detalhes e mensagens subliminares. Parece uma caçada ao tesouro, só que banhada à sangue.

Seria quase um crime não comentar sobre as atuações nesse filme. Naturalmente, os atores são obrigados a interpretar duas versões do mesmo personagem, o que por si só já é um desafio. Winston Duke, Shahadi Wright Joseph e Evan Alex todos conseguem superar esse desafio muito bem, mas nenhum deles chega perto de Lupita Nyong’o. A atriz mostra aqui todo seu talento e experiência, literalmente carregando cenas inteiras nas costas sozinha.

A cereja no bolo nessa obra maravilhosa é a trilha sonora. Embora não seja um sommelier do gênero, é bem comum ouvir que a música é um dos aspectos mais importantes. Nesse aspecto ‘Nós’ também tira de letra. Além de inserir o espectador nas loucuras acontecendo em cena, ela também tem uma identidade muito única. O “tema principal” em especial é bem capaz de te deixar desconfortável, curioso e com a melodia presa na cabeça por dias.

Só para não dizer que o filme não tem defeitos, existe um momento onde a história basicamente para completamente e tira alguns minutos para explicar o que raios está acontecendo nessa noite bizarra. Isso quebra o ritmo até então impecável de ‘Nós’, além de retirar toda uma camada de mistério da história. Se o resto da obra não fosse tão incrível, teria descido a nota final.

Divulgação

Nós

‘Nós’ é um daqueles filmes que aparece de vez em quando onde as estrelas se alinham e o resultado final é uma obra profunda, que tem muito a dizer e conta com atores incríveis se superando a quase todo momento. Mesmo as pequenas falhas que o filme tem são incapazes de azedar o resto da experiência sensacional que esse filme proporciona.

  • Uso espetacular de simbologia e mensagens subliminares
  • Atuação sem comparação de Lupita Nyong'o
  • Trilha sonora que insere o espectador no filme e tem sua própria identidade
  • Produção, no geral, impecável
  • Pequeno momento onde o filme para para explicar tudo
Nota: 5/5