Review | O Rei Leão

As vezes não é necessario reinventar a roda…

Bernardo Dabul

O Rei Leão original é um marco na história do cinema. Para muitos, é o melhor filme de animação (senão filme em geral) de todos os tempos. Agora em 2019, temos uma nova versão do clássico chegando aos cinemas, tendo uma abordagem muito mais “National Geographic” do que “desenho animado”. Infelizmente, isso acabou sendo um tiro no pé.

A essa altura do campeonato, todo mundo já conhece a história de ‘O Rei Leão’ e o novo filme não tenta reinventar a roda. Salvo uma ou outra alteração em falas específicas, é seguida exatamente a mesma trama de 1994. Por um lado, é uma decisão segura dada a qualidade do roteiro do original, mas ao mesmo tempo acaba não tendo nenhuma novidade para os familiarizados (basicamente todo mundo).

O que resta é a novidade da animação ultra realista. Para ser bem claro: é realmente impressionante o nível de fidelidade atingido nesse filme. É praticamente imperceptível que esses animais não são reais, isso levando em consideração que todos eles FALAM! A técnica, que já era excelente em Mogli, foi aperfeiçoada ainda mais aqui.

O problema é que essa direção artística rouba totalmente o filme de sua identidade. Os números musicais especialmente são os que mais sofrem com essa mudança. Se foram as cenas bombásticas, com explosões de cores e liberdades poéticas, substituídas por cenas muito mais realistas, porém menos interessantes. Os próprios animais acabam sendo muito menos emotivos por conta disso, apesar do elenco fazer uma ótima atuação. No fim, isso acaba tornando o filme pobre em comparação ao original, perdendo parte de sua essência.

Isso não quer dizer que não há o que se gostar na obra. Timão e Pumba (Billy Eichner e Seth Rogen, respectivamente) têm uma química ótima, sendo a fonte da maioria das risadas no filme, enquanto escalar John Oliver para ser Zazu provou ser uma escolha genial. 

Embora Donald Glover e Beyoncé também fazem um ótimo trabalho como Simba e Nala, pena só que acabam tendo pouco tempo para brilhar, comparado às versões filhotes dos personagens. Chiwetel Ejiofor como Scar também brilhou muito no papel, mas o leão em cena dificilmente mostrava tanta emoção quanto a atuação carregava.

Divulgação

O Rei Leão

No fim, ‘O Rei Leão’ de 2019 não é um filme RUIM. A história continua sendo tão boa quanto da primeira vez e o elenco realmente é muito bom. Infelizmente, na troca para o ultra realista, parte da identidade do filme se perdeu no processo. Assim, o original continua sendo a versão superior.

  • A história continua sendo ótima
  • Timão e Pumba
  • Realismo impressionante...
  • ... Que acaba roubando a alma do filme
  • Nenhuma novidade para os familiarizados
  • Emoção das vozes não condiz com o rosto dos animais
Nota: 3/5