Review | Power Rangers

Power Rangers é uma atualização respeitosa, que consegue agradar tanto fãs antigos, quanto aqueles que nunca embarcaram na onda!

Bernardo Dabul

Quem segue o 10de10, especialmente nosso podcast semanal, o Semana dos 10, sabe que sou um árduo fã de Power Rangers. Também deixei claro em nossos conteúdos o meu receio, um tanto agressivo, com a nova versão da franquia que está chegando nos cinemas nessa semana, implicando com as armaduras que pareciam cópia barata do Homem de Ferro e até os trailers que tinham um tom estranho.

Pois bem, estou aqui para dizer que acho que nunca fiquei tão feliz de estar errado.

Para aqueles que não estão familiarizados, a história segue cinco adolescentes problemáticos: Jason, Kimberly, Billy, Trini e Zack, cada um com seus próprios problemas pessoais. Em uma fatídica noite, os cinco encontram moedas estranhas que lhes dão força, agilidade e resistência sobre-humanas. Se você já assistiu ‘Poder Sem Limites’, é um lance bem parecido.

Os jovens logo descobrem uma nave alienígena enterrada, habitada por dois aliens: Zordon e Alpha-5. Os dois explicam que as moedas selecionam aqueles que são dignos de se tornarem Power Rangers, protetores do universo, e que Rita Repulsa irá em breve surgir para destruir o planeta. Não demora muito para os jovens começarem a treinar com o objetivo de assumir a missão para a qual foram escolhidos.

O melhor que posso falar do filme como fã é que o roteiro atualiza a premissa básica da série de forma respeitosa, trazendo elementos da mitologia Power Rangers, fazendo referências a momentos clássicos e não deixando o tom ficar muito sombrio. O humor em especial é certeiro, oferecendo vários momentos mais leves, sem comprometer o drama em cena.

Falando em drama, por mais que o título diga ‘Power Rangers’, grande parte do filme foca nas vidas de cada um dos jovens e a relação entre eles. Isso acabou sendo uma boa decisão, porque dá ao espectador a oportunidade de conhecer e se relacionar com as pessoas atrás das máscaras. Billy, em especial, é o destaque no filme, com o ator RJ Cyler fazendo uma versão hilária do personagem, mas sem perder sua essência geek.

Vale dizer também que o filme abraça diversidade não só com o elenco, mas também através de detalhes de seus personagens. Alguns deles já até apareceram na mídia, mas evitarei falar aqui. Caso você não tenha visto as notícias, é uma experiência legal de se ter ao ver pela primeira vez, porque são momentos muito bem feitos.

Agora vamos falar do que todos realmente querem saber: as lutas, as armaduras e a batalha de zords. Embora eu tenha criticado no passado as decisões artísticas de ‘Power Rangers’, não tem como negar que na hora que os socos começam a voar, tudo encaixa e funciona muito bem. Quem assistia a série original tem total noção do quão exageradas eram as lutas e fico feliz em dizer que aqui elas continuam tão exageradas quanto, mas de forma diferente. A destruição é em grande escala, existem reais consequências, mas no fim ainda são dinossauros robóticos gigantes lutando da forma gloriosa que só Power Rangers consegue entregar.

Grande parte disso é graças também à química entre o elenco principal. Dacre Montgomery (Jason), Naomi Scott (Kimberly), RJ Cyler, Ludi Lin (Zack) e Becky G. (Trini) trazem entusiasmo e energia aos seus papéis, conseguindo ao mesmo tempo entregar bem todos os momentos mais emocionais na jornada dos Rangers.

Quanto aos personagens coadjuvantes, Bryan Cranston faz uma versão de Zordon um pouco diferente do que estamos acostumados, mas ainda assim interessante e muito válida. Bill Hader traz Alpha-5 à vida de forma mais otimista, porém tão cômica quanto o original. Por fim, Elizabeth Banks arrasa como uma Rita Repulsa ainda mais maníaca e cruel, sendo um pouco menos pastelão que na série, o que é uma mudança bem vinda dado o tom do filme.

Caso não tenha ficado bem claro ainda que ‘Power Rangers’ é um filmão e você deve assistir, segue abaixo um vídeo de como eu estava após sair da cabine.

‘Power Rangers’ estreia dia 23 de março de 2017

Divulgação

Power Rangers

‘Power Rangers’ tinha tudo para dar errado, mas no final das contas foi uma atualização respeitosa da série, trazendo elementos antigos e ao mesmo tempo injetando novidades para agradar tanto os fãs de longa data quanto aqueles que nunca embarcaram na onda.

  • Atualização respeitosa da série
  • Incorpora elementos da mitologia de Power Rangers
  • Personagens interessantes e com profundidade
  • Humor certeiro, sem comprometer o tom
  • O Billy é simplesmente demais
  • Eu ainda não vi esse filme mais 15 vezes
Nota: 5/5