Review | Vingadores: Guerra Infinita

Depois de dez anos em construção, finalmente chegamos aqui. Que comece a Guerra Infinita!

Bernardo Dabul

Dez anos. Foi o tempo necessário para a Marvel introduzir todos os seus personagens, arrumar o cenário e preparar todo o terreno para o que é provavelmente o maior filme de super heróis que o mundo já viu. Agora, Vingadores: Guerra Infinita finalmente chegou e apenas uma coisa é certa: ninguém está seguro.

Logo de cara somos apresentados novamente ao nosso vilão, Thanos. O gigante roxo está em busca das Jóias do Infinito, objetos introduzidos ao longo dos diversos filmes do Universo Cinemático da Marvel, para aniquilar metade da vida existente. Cabe aos nossos muitos (MUITOS) heróis impedirem isso, se dividindo em diversos núcleos, cada um com sua própria missão.

Vamos deixar algo bem claro: Guerra Infinita depende de conhecimento prévio para ser aproveitado por completo. Talvez um resumo em vídeo seja o suficiente para se localizar minimamente, mas não espere que o filme fique explicando eventos do passado (até porque ele não tem tempo para isso).

Talvez uma das maiores surpresas de ‘Guerra Infinita’ é que, mesmo tendo um elenco enorme, ainda consegue arranjar tempo para que todos os personagens tenham espaço para desenvolver suas narrativas individuais e avançar a trama geral de uma forma que não fica corrida. Isso é especialmente verdade para Thanos. O vilão poderia muito bem ser só mais um malvado raso, mas ao longo das 2h40(!) de filme, nós aprendemos suas motivações, crenças e o que sofreu para chegar onde está agora. Você pode não concordar com seu ponto de vista, mas, mesmo assim, existe uma lógica por trás das atrocidades, o que torna suas ações críveis. Tudo isso é consolidado pela atuação espetacular de Josh Brolin, que consegue misturar muito bem o ar ameaçador do personagem com a determinação de que sua causa é correta.

O que não quer dizer que os heróis também não tenham seus momentos para brilhar. Sem entrar em muitos detalhes, Thor, Rocket, Homem-Aranha e Gamora são os destaques simplesmente pelo teor emocional de algumas de suas cenas. Filmes desse gênero tendem a não gastar muito tempo com sentimentos e focar na ação, mas Guerra Infinita arranja um jeito de mesclar os dois de forma majestosa, nos mostrando facetas desses personagens que não tínhamos visto antes. A comédia também é na dose correta, sendo o suficiente para não deixar o clima ficar muito pesado, mas também sem minar os momentos emocionais e dramáticos da trama. Ver esses personagens se conhecendo pela primeira vez é especialmente divertido e até catártico, de certa forma, uma vez que estávamos aguardando isso por muito tempo.

Porém, talvez o mais impressionante, acima de tudo, é que ‘Guerra Infinita’ consegue colocar medo no coração de quem assiste. Pense quando foi a última vez que você genuinamente ficou preocupado por um herói na telona. Se está com dificuldade de achar um exemplo, não te culpo, mas esse filme irá mudar isso. Desde a primeira cena já fica claro que todos estão em risco real e que nenhum resultado é garantido. O filme constantemente subverte suas expectativas, tornando a experiência toda mais intensa.

Eu poderia escrever muito mais sobre ‘Guerra Infinita’, mas sinto que existe um grande valor em assistir do jeito mais puro possível. Saiba que a Marvel conseguiu criar algo realmente único e excelente. Com certeza valeu a espera.

Divulgação

Vingadores: Guerra Infinita

Vingadores: Guerra Infinita é a culminação de 10 anos e 18 filmes. Se existia algum medo de que não conseguiria honrar esse legado, pode ficar tranquilo. Com um vilão excelente e uma trama que dá o devido espaço para seu elenco imenso brilhar quase que igualmente, a Marvel criou algo memorável que definitivamente vale o ingresso.

  • Thanos é um vilão excelente
  • Todos os heróis tem seu momento de brilhar
  • Emocionante, engraçado e cheio de ação, mesclado de forma espetacular
  • Sensação genuina de perigo permeia o filme
Nota: 5/5