Review | X-Men: Apocalipse

Mais um filme mostrando o Magneto não se decidindo se ele é bom ou malvado…

Bernardo Dabul

O mercado de filmes de super-heróis está cada vez mais disputado. Se inicialmente existia apenas a Marvel tentando criar um universo cinemático, neste ano a Warner Bros. entrou na jogada com o desastroso Batman vs Superman: A Origem da Justiça. Agora chegou a vez da Fox de tentar expandir o seu próprio universo com X-Men: Apocalipse. Infelizmente o resultado final não é muito diferente de BvS.

O maior problema dessa nova trilogia de X-Men (Primeira Classe, Dias de um Futuro Esquecido e Apocalipse) é que o principal arco narrativo é sempre o mesmo. Os vilões podem mudar, mutantes diferentes podem entrar e sair, mas todos se reduzem ao Magneto decidindo se é bom ou malvado. Existe tanto vai e volta entre os filmes que o resultado deixa de ser algo dramático e passa a ser ridículo. Sempre o Magneto deve ser lembrado do seu lado bom e que seu futuro não é definido pelas tragédias do seu passado. Os roteiristas precisam decidir se irão tornar o personagem em um vilão como nos quadrinhos ou leva-lo em uma nova rota como herói. Só assim a série poderá avançar e explorar novas fronteiras narrativas.

Quanto ao resto dos personagens, são poucos que conseguem se salvar. Oscar Isaac, como Apocalipse, é um robô sem personalidade ou motivação. É o clássico vilão dos anos 90 que só quer destruir o mundo porque sim, deixando bastante a desejar. Jennifer Lawrence como Mística é sofrível, uma vez que parece estar quase dormindo em todas as suas cenas. Sophie Turner como a psíquica Jean Gray também não é nada demais. Não chega a ser ruim, mas também não se destaca de nenhuma forma.

xmen-apocalypse

A sorte do filme é que ele ainda conta com a presença de James McAvoy e Michael Fassbander como Prof. Xavier e Magneto, respectivamente. Ambos continuam interpretando seus personagens de forma fantástica, tentando mostrar como evoluem para suas versões mais velhas dos filmes originais. Evan Peters, como Mercúrio, brilha novamente com seu carisma e atuação, roubando quase toda as cenas em que se encontra.

Um dos fatores que mais me incomodou em X-Men: Apocalipse foi como certas cenas se estendiam além do que era necessário. Em vários momentos em que já era bem clara a direção que o filme iria seguir, a história não avançava, escolhendo focar em um detalhe, martelando-o até não poder mais.

As cenas de ação também deixam bastante a desejar. Todas são extremamente básicas, novamente parecendo terem sido retiradas diretamente dos anos 90, com a exceção da cena do Mercúrio que é fantástica. O último confronto dos X-Men contra o Apocalipse parece ser uma cópia direta da batalha final do Quarteto Fantástico (2005)! É surrealmente simples e monótono.

Essa é a única cena de ação que presta no filme
Essa é a única cena de ação que presta no filme

A franquia X-Men está precisando desesperadamente de uma nova visão e um novo início. A história atual já está tão complicada que chega ao ponto do próprio filme se enrolar com certos aspectos do seu universo. Infelizmente, isto não parece estar nos planos, com mais filmes como Wolverine 3 e possivelmente X-Force estando a caminho. O jeito é torcer para que de alguma forma eles corrijam o curso deste navio (ou o devolvam para a Marvel Studios), algo que X-Men: Apocalipse falhou em fazer.

Foto: Divulgação

X-Men: Apocalipse

X-Men: Apocalipse falha em atualizar a franquia para o século XXI. O filme traz a mesma trama de seus antecessores, porém com ação básica e atuações robóticas. Tem alguns momentos bons, mas no geral não consegue chegar no mesmo nível de outros filmes de super heróis de hoje.

  • Mercúrio e sua cena de ação
  • James McAvoy e Michael Fassbender
  • Oscar Isaac e Jennifer Lawrence
  • As outras cenas de ação
  • Mesma história dos filmes anteriores
Nota: 2/5